Resenhas de livros Archives - Corujando - de olho em livros, filmes e novidades literárias
09
fev 2015

Resenha – Eleanor & Park, Rainbow Rowell



Título: Eleanor & Park
Título original: Eleanor & Park
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Livro no skoob

Sensível, tocante, excêntrico e apaixonante. São essas as características que dou para o livro “Eleanor & Park”, de Rainbow Rowell.

“Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.”

Park tocava as mãos dela como se fossem algo raro e precioso, como se seus dedos estivessem intimamente conectados com o restante do seu corpo. O que, é claro, era fato. Difícil explicar. Ele a fazia sentir como se ela fosse mais do que a soma de suas partes.

Park é um jovem de 16 anos, descendente de coreano, amante de quadrinhos e que tem como fiel escudeiro de viagens-de-volta-a-escola o seu walkman. Vários atributos que fazem com que ele passe despercebido na selva da escola de ensino médio.

O mesmo não vale para Eleanor. Logo no seu primeiro dia, no ônibus da escola, seu gosto excêntrico para roupas e seus longos e despenteados cabelos ruivos chamavam a atenção dos gozadores de plantão, que estão sempre a espera de uma presa para as brincadeiras sem graça. Não que ela ligue. Não muito.

E o que os uniu, logo de início, não foram suas características. Foi uma brincadeirinha do destino que havia feito com que o lugar ao lado de Park fosse o único vago no ônibus. E a partir daí que a história começa. E aí vem as aventuras, o sentimento inquietante que começa a crescer dentro do peito e não tem mais pra onde ir.

 

Modelo que não sou eu, mas enfim.

Eleanor & Park

 

Se ela tinha saudade?
Queria perder-se dentro dele. Amarrar os braços dele em torno dela feito um torniquete.

Uma leitura particularmente agridoce. A doçura do primeiro amor está em cada página, nas passagens curtas dos capítulos que alteram entre o ponto de vista de Eleanor & Park. E o fator amargo também macula as páginas, arrastando os problemas e tristezas da família de Eleanor para o seu comportamento e cotidiano.

Enfim, é um livro bonito, suave, geek, que me deixou cheia de suspirante e desejando ler mais da Rainbow o mais rápido possível. Super recomendo!

29
dez 2014

Resenha – Perdida, Carina Rissi


Título: Perdida
Autor: Carina Rissi
Editora: Verus

Sofia tem uma vida corrida com o trabalho e mal sobra tempo para sair com os amigos, romances no geral e até arrumar a casa. A vida com os confortos numa metrópole acarreta neste tipo de rotina.

Mas ela não esperava, após um acidente com o seu celular, é que fosse se deparar com um novo aparelho curioso com propriedades pra lá de inexplicáveis: depois de um clarão, Sophia vai parar no século dezenove, sem idéia de como voltar para casa – para seu tempo – e com nada mais que um celular que não funciona e as roupas do corpo.

Em meio a esta situação pra lá de desorientadora, ela encontra Ian Clarke um perfeito cavalheiro que em toda a sua elegância e polidez, se dispõe a ajudá-la a voltar para casa e ainda oferece a Sofia um abrigo enquanto esta busca não termina.

A protagonista então embarca numa busca quase desesperada para voltar ao presente, em meio a falta de banheiros, ausência de condicionador e vestidos desconfortáveis, nos arrancando risadas do início ao fim da história. Dentre tantos contras, ela cativa amizades verdadeiras como Elisa, vive um pouco da mágica de bailes do século 19 e descobre que o amor pode ser encontrado nos lugares, e nos tempos, mais improváveis.

Cada linha de Perdida é apaixonante. Carina Rissi escreve de uma forma divertida e fluida, capaz de fazer qualquer leitor perder noção do tempo. Eu mesma podia me sentir sorrindo para Ian Clarke, rindo das trapalhadas de Sofia e me perdendo no meio do suspense da busca pelo presente.

O enredo é leve e mágico, um chick-lit com aquela pitada de contos de fadas. Recomendo para todos os amantes de romances leves, que gostam de ser perder em aventuras engraçadas e inusitadas. Mal posso esperar para ler o segundo volume da série, Encontrada.

DSC_0034

28
dez 2014

Resenha – Tocada pelas Sombras, Richelle Mead (Academia de Vampiros #3)


Título: Tocada pelas Sombras
Título original: Shadow Kiss
Autor: Richelle Mead
Editora: Agir
Livro no skoob

Primeiramente, este é o terceiro volume da série de seis livros, Vampire Academy. Se você não leu os outros, não acho prudente prosseguir. Eis o link das resenhas de O Beijo das Sombras (vol. I) e Aura Negra (vol. II).

Depois do acidente que ocorreu com as férias de todos naquela estação de esqui, com a fuga de Mason, Mia, Eddie – que acabou levando Rose e Christian para bagunça – de encontro a uma base Strigoi, a morte de Mason e as tatuagens molnja (que todo guardião ganha correspodente a quantidade de Strigoi que assassinou) a vida na escola São Vladimir prometia mudar.

Tudo iria mudar, na verdade. Uma das primeiras coisas será o julgamento de Victor Dashkov, aquele que havia feito Lissa refém para usar o poder de cura. Além disto, Rose começa a ser literalmente assombrada, o que a levará a questionar sua sanidade mental. Lissa, com o poder do espírito, estudará e descobrirá cada vez mais usos para suas especialidades enquanto Rose acabará se deparando com efeitos colaterais do seu laço com a melhor amiga.

Enquanto isto, apesar daquela relação proibida aluna-professor com Dimitri, e depois das recaídas ocasionais entre os dois e de tantos acontecimentos que os ligaram, percebemos que a pose desta relação vai ficando cada vez mais fraca – para alegria da garotada! (aka, minha alegria).

Mas a sombra de medo dos Strigoi ainda paira. E este medo pode rearranjar a política Moroi que parece cada vez mais arrastar Lissa, como última Dragomir. O que dizer? Apesar de ter um ritmo um pouquinho mais lento que o segundo, o terceiro livro é de tirar o fôlego. Literalmente. Richelle aprofundou na magia dos Moroi, explorou e testou cada vez mais os relacionamentos presentes no livro e balançou as questões morais de Rose, aquelas que ela foi criada acreditando.

Mal acredito na montanha-russa de sentimentos que a série inteira me causou, especialmente o terceiro livro. Novos personagens, ações inimagináveis dos personagens antigos e aquela nuvem opaca que paira no ar de que tudo irá mudar. Resultado? Rachel abrindo o site do submarino para comprar os outros três da série. Aliás, ainda bem que eles não estavam na minha casa neste momento, ou eu teria uma semana nem um pouco produtiva. Não iria aguentar, o resultado seria uma Rachel fazendo nada para ler.

Espero que tenham gostado da resenha! É simplesmente uma série apaixonante, excitante, misteriosa num pacotão adolescente. Boa leitura!

her

Euzinha, biscoitando com uma das séries que magicamente pulou para meu ranking de favoritas.

Corujando – de olho em livros, filmes e novidades literárias • todos os direitos reservados © 2016 • powered by WordPress • Desenvolvido por